Abridor de Latas Comunicação Sindical

Textos estratégicos conscientizam, sensibilizam e mobilizam

Dirigente sindical, nós sabemos que você trabalha muito, tenta gerar mobilização da sua categoria, e ainda tem de ouvir frases como essas:

  • “Esse sindicato não faz nada”.
  • “Eu pago a mensalidade sindical todo mês, mas não recebo nada em troca”.

Ou, talvez, a mais clássica:

  • “Esse sindicato não conquista nada porque não sabe negociar. São todos um bando de esquerdistas”.

Então, se você se encaixou em algum desses problemas, respire fundo. Nós temos a solução para você: cacaraje com emoção!

Isso mesmo!

Quando a galinha bota seus ovos, ela cacareja bem alto. Ela faz isso para anunciar seu trabalho ao mundo. De forma orgulhosa, ela chama a atenção de todos à sua volta.

Cacarejar com emoção é “matar a cobra e mostrar o pau”.

Por isso, dirigente, nosso conselho para você é: mostre a que você veio. Mas, mostre com muita emoção, antes que você vire ensopado.

Neste post, você aprenderá a mostrar o seu trabalho ao mundo de um jeito muito melhor que o da galinha. 

Pois bem… Se você ainda está lendo, eu consegui meu objetivo!

Já foram quase 1.000 caracteres até aqui, e ainda nem começamos.

Isso porque eu escrevi uma introdução persuasiva, envolvente – e me saí melhor que a galinha!

Portanto, se você quer saber como utilizar essa técnica para que o seu sindicato tenha trabalhadores mobilizados, continue comigo.

Vou te mostrar exemplos de textos persuasivos valiosos, e você vai dominar a sutil arte de cacarejar com emoção!

 

Primeiro: tenha uma equipe de comunicação

Antes de mais nada, se você não tem uma equipe de comunicação qualificada para exercer esse trabalho, será muito difícil que sua entidade alcance os resultados necessários (gerar mobilização ou outro).

O que você precisa fazer é elencar a comunicação como uma das prioridades máximas do seu sindicato. Afinal, ela é exatamente isso.

Em resumo: pouco vai adiantar você trabalhar tanto, se a categoria não está vendo o seu esforço. Ou pior: deixar que os trabalhadores acreditem que os patrões fazem chover benefícios e são super bonzinhos porque aumentam salários (neste exato momento, muitos estão pensando exatamente isso).

 

Jornalismo sindical não vai funcionar

E ele não vai funcionar porque (entre outros motivos) falta emoção.

Na comunicação sindical (e aqui vamos fazer o mea-culpa também), muito se falou em acabar com os textos panfletários e passar para o jornalismo sindical.

Essa avaliação partiu da análise de que os textos panfletários não possuíam dados “convincentes”.

Então, a comunicação sindical migrou radicalmente de algo completamente emocional para algo muitas vezes isento. Se no passado era exagerado, agora falta equilíbrio.

Isso porque as bases do jornalismo convencional são com o factual e com a “isenção”. Ou seja, transmitir os fatos, mas sem tomar partido deles.

E até já estou ouvindo seus pensamentos agora, do tipo:

“Ahh, mas no nosso sindicato não é assim. Lá a gente disputa a hegemonia, e o nosso jornalismo fica ao lado do trabalhador. A leitura desse artigo não é para mim…”

Pois sinto te informar uma coisa:

Até mesmo esse jornalismo que fica ao lado do trabalhador às vezes é um jornalismo bem isentão. A diferença é que ele atua como se fosse uma assessoria de imprensa.

É bem mais difícil gerar mobilização assim.

 

Emoção x isenção

Antes que você me ache um “sabe tudo”, vou te contar um segredo: eu acabei de ativar um gatilho mental em você, de propósito, para mexer com a sua emoção!

E é justamente aqui que você vai entender uma questão fundamental: no marketing, textos persuasivos ativam emoções.

Muitos dirigentes sindicais ainda não entenderam, mas a maioria das decisões do ser humano não são racionais. Elas são emocionais.

Funciona assim: as decisões racionais são deixadas para grandes escolhas – escolher a casa nova que você vai comprar, escolher a pessoa com quem você vai se casar, escolher a profissão que você quer seguir etc.

Já aquelas escolhas do dia a dia são comandadas pelo “piloto automático” que existe em todo ser humano!

Tente se lembrar: quantas vezes você dirigiu em uma certa rota, até se dar conta (muito tempo depois!) que você deveria estar dirigindo para outro lugar?

Ou, ainda, ficou em dúvida se trancou (ou não) a porta da sua casa com chave?

Essas coisas acontecem porque você estava no piloto automático.

E, assim como você, o trabalhador também fica no piloto automático, e não pensa sobre o mundo onde está inserido.

É nesse momento que ele está receptivo para o que você tem a cacarejar com emoção, dirigente!

Sim, é fácil!

Aqui está a chave da questão: é fácil gerar emoções!

E você, enquanto dirigente sindical, tem todos os elementos para ativar diversos gatilhos mentais em sua categoria – como o da justiça social, por exemplo.

Então, por que você não ativa?

Será que você pensa que faltam argumentos e emoções para retratar a dor dos trabalhadores?

Ou que você não possui dados que mostrem como o patrão está enrolando os trabalhadores?

Ou, ainda, talvez você esteja esperando um roubo bem violento de direitos, por parte dos patrões. Seria isso?

Bem… Você sabe que o roubo dos patrões está escondido nas horas extras dos trabalhadores, no pagamento do FGTS, no congelamento dos salários…

Ixe… A lista é muito grande, né?

Pois temos mais uma notícia: enquanto você não cacareja com emoção, os extremistas estão fazendo isso. E bem alto, lá no “Gabinete do Ódio”. E muitas vezes, é contra você e o seu sindicato.

 

Cacareje com emoção para gerar mobilização!

Em resumo: você não pode mais contar apenas com os textos jornalísticos.

Seu sindicato precisa de textos persuasivos. Desperte emoções no trabalhador.

No marketing, o processo de tomada de decisão pode ser influenciado por estes cinco sentimentos:

  • Admiração;
  • Ansiedade;
  • Felicidade;
  • Medo;
  • Raiva.

 Como aplicá-los

Veja, abaixo, algumas dicas para você despertar esses sentimentos no dia a dia da categoria:

Admiração: mostre que você trabalha muito em defesa dos trabalhadores. Mostre seu esforço (e às vezes, até o cansaço decorrente disso), sindicalista!

Ansiedade: antecipe problemas que estão por acontecer. Não tenha medo de jogar fogo no palheiro! Ativar a ansiedade da categoria fará ela se mobilizar quando o momento chegar, e o patrão pensará duas vezes antes de tentar passar a perna na negociação.

Medo: mostre o futuro real que está por vir, se os trabalhadores perderem seus direitos. Faça um infográfico com todas as perdas, presentes e futuras. Que tal?

Raiva: o NÃO do patrão é motivo de indignação. Pense no sindicalista amarrado na porta da fábrica, nos pneus queimados e na greve de fome. Raiva é isso.

Felicidade: é claro, não esqueça de comemorar cada vitória!

Tome uma decisão agora

Enquanto você fica esperando o momento ideal para mudar a comunicação do seu sindicato, muitos trabalhadores estão sendo convencidos de que o melhor para eles é se desfiliar da entidade, e acabar com os “esquerdopatas”.

Vou te dizer uma coisa.

Conquistar o reconhecimento da categoria é muito mais demorado.

Então, não perca tempo.

Aproveite para mudar a realidade do seu sindicato agora, com a gente!

Podemos ajudar você que ainda não trabalha a comunicação da sua entidade.

E também podemos ajudar você que já possui uma equipe nessa área, mas precisa turbinar as emoções da categoria para gerar mobilizações.

Clique aqui e solicite pelo WhatsApp uma proposta para trabalharmos juntos. Nós atendemos o Brasil inteiro!