Mais Mobilização

9 estratégias para combater os ataques dos governos aos sindicatos

2 de junho de 2019
Junte-se a mais de 7.000 lideranças

Entre para nossa lista e receba conteúdos sindicais exclusivos e com prioridade

AbridordeLatas - 9 estratégias para combater os ataques dos governos aos sindicatos

Os ataques dos governos aos sindicatos não são novidades.

As entidades sindicais são alvo constante de ataques promovidos pelos governos de todas as esferas (municipal, estadual ou federal).

 Isso acontece porque os sindicatos são a força política dos trabalhadores.

Via de regra, os governantes cumprem com uma agenda das elites que os levaram ao poder. Estão lá para beneficiar em primeiro lugar esses setores (ou simplesmente não querem incomodá-los).

Há também aqueles que atacam os trabalhadores por convicção.

E no caso dos servidores públicos, os governos funcionam como “patrões”.

O movimento sindical é última barreira para se contrapor aos anseios dos setores políticos e econômicos que pautam os interesses das diferentes esferas governamentais. Lados opostos, confronto direto, ataque e defesa.

Como os ataques dos governos aos sindicatos ocorrem na prática?

Se você tem dúvidas se isso é verdade, então vamos te dar dois exemplos bem práticos:

Exemplo 1

A Reforma Trabalhista, encomendada pelos patrões ao governo Temer. Entre outras medidas, duas foram criadas para destruir o movimento sindical:

  • o fim do imposto sindical, que derrubou a arrecadação de muitos sindicatos e, principalmente, das federações, confederações e centrais sindicais.
  • o fim da obrigatoriedade de realizar a homologação das rescisões trabalhistas nos sindicatos. Com isso, além de deixar o trabalhador mais frágil e estimular o aumento das fraudes nas rescisões, a medida também afasta o trabalhador da entidade sindical (já que ele não precisará mais ir na sede do sindicato para fazer a rescisão).

Exemplo 2

A MP 873, criada pelo governo Bolsonaro para destruir definitivamente o movimento sindical ao proibir o desconto em folha das contribuições sindicais (incluindo a mensalidade voluntária dos filiados/associados).

Então, como podemos combater essa gana dos governantes?

Qual é a força que a classe trabalhadora possui para reverter esse cenário?

Veja 9 estratégias que preparamos para ajudar você a organizar seu sindicato e sua base na luta pelos direitos dos trabalhadores da sua categoria 👇

1. Entenda o seu público

Para que seus planos de mobilização e resistência aos ataques dos governos sejam bem-sucedidos, é preciso conhecer seu público.

As particularidades da categoria

Os desafios dos trabalhadores

O que eles esperam do sindicato

Seus hábitos

Seus anseios e outras questões que são esclarecidas em um simples diálogo fazem toda a diferença para estruturar as ações da sua entidade.

2. Conscientize seus trabalhadores sobre os projetos dos governos que pretendem retirar direitos

 Muitos ataques são promovidos na calada da noite pelo Congresso Nacional.

É preciso mostrar quais são os projetos que ameaçam os direitos da classe trabalhadora de forma realista e quais as motivações desses projetos, para que os trabalhadores possam ter consciência do que está acontecendo e se mobilizem para lutar.

3. Desenvolva ações que valorizem os sindicatos como instrumento de conquista coletiva

Os trabalhadores precisam ser lembrados que muitos direitos que temos hoje são fruto das lutas organizadas pelos sindicatos.

Mostre sempre como o sindicato atua para melhorar as condições de trabalho e os salários e também os resultados já obtidos por sua entidade ao longo dos anos. ✊

4. Esclareça quais são os interesses envolvidos nos projetos que pretendem enfraquecer o movimento sindical

Trabalhadores organizados têm um poder de negociação muito significativo. Muitas empresas, com medo de perder esse jogo, influenciam parlamentares na aprovação de medidas para retirar direitos da classe trabalhadora e enfraquecer os sindicatos.

Isso deve ficar claro para que os trabalhadores saibam que os governos não atuam sozinhos, o empresariado está sempre presente tentando se beneficiar de alguma forma.

5. Crie novas formas de diálogo com os trabalhadores, utilizando todas as ferramentas de comunicação disponíveis

A mídia tradicional muitas vezes é a única fonte de informação dos trabalhadores, que podem não perceber a real dimensão de medidas que são verdadeiros retrocessos para o país.

Produzir materiais próprios e periódicos com assuntos que esclarecem a categoria, utilizando plataformas, como sites, Facebook, WhatsApp, jornais impressos e panfletos é fundamental para proporcionar o entendimento dos trabalhadores.

Realize campanhas constantes para esclarecimento e conscientização. Lembre-se de que a consciência dos trabalhadores não desperta de uma hora para outra!

6. Desenvolva campanhas de esclarecimento

Alguns assuntos são complexos e geram muitas dúvidas na sua categoria.

Às vezes, leva tempo para que os trabalhadores consigam compreender a real dimensão de alguns assuntos e a necessidade de se envolver e se mobilizar.

Campanhas específicas são uma ótima maneira de abordar esses temas e aprofundar as discussões com os trabalhadores para conscientizá-los.

7. Faça corpo a corpo com os trabalhadores

Sabemos que muitos sindicatos representam categorias que estão espalhadas em muitos locais de trabalho.

Por isso, se organizar para visitar esses locais é muito importante.

Conversar pessoalmente com os filiados. Mas leve materiais que possam esclarecer suas dúvidas!

Conhecer de perto os desafios que eles enfrentam no cotidiano é fundamental para fortalecer o seu relacionamento com a sua base.

👀 O “olho no olho” ainda é muito importante para que o trabalhador mantenha o sentimento que o dirigente sindical é “gente como a gente”.

8.  Dica de ouro: mobilize pessoas estratégicas

Forme uma rede de apoio para o seu sindicato. Pessoas que se destacam na região onde você atua ou que são reconhecidas por defenderem as mesmas causas podem ampliar a mobilização e dar mais destaque para sua luta.

Blogueiros, ativistas, colunistas e outras pessoas que acreditam em algo semelhante ao que o sindicato promove são estratégicos para sua entidade.

9. Planeje atividades

Quanto mais pessoas estiverem ao lado do sindicato e dos trabalhadores, melhores serão os resultados das suas mobilizações.

Para isso, envolver outros setores da sociedade também é importante para mostrar como o ataque aos trabalhadores reflete em toda a população.

Como potencializar a resistência e aumentar a força do sindicato?

Toda ação sindical precisa ser construída com base em ações efetivas que devem gerar mais capacidade de diálogo e de mobilização da categoria. ✅

Mas isso só irá acontecer se o sindicato tiver visibilidade suficiente para que os trabalhadores reconheçam sua importância, valorizem suas lutas e o empenho de sua diretoria, e tenham a consciência de que é somente com o apoio de sua categoria é que o sindicato terá força suficiente para resistir a qualquer tipo de ataque e enfrentar todos os desafios.

Para ajudar nesse processo, criamos um infográfico com 10 etapas para melhorar a visibilidade do seu sindicato.

Acesse aqui o material e veja como aumentar o reconhecimento da sua entidade.

melhorar a visibilidade do sindicato

Fonte: Abridor de Latas – Comunicação Sindical