Mais Transformação

Frases que ainda ouvimos por aí #19 – “Mas você tem um rosto tão bonito”

15 de junho de 2018
Junte-se a mais de 7.000 lideranças

Entre para nossa lista e receba conteúdos sindicais exclusivos e com prioridade

mas_voce_tem_um_rosto_tao_bonito

“Mas você tem um rosto tão bonito”

Os padrões de beleza afetam a vida das mulheres desde a infância. Todas as características que não se encaixam nos moldes ditados pela moda, por revistas, por filmes e novelas são consideradas feias ou inadequadas. Isso se aplica desde o tamanho do nariz, o tipo de cabelo, a cor da pele, até o peso da mulher.

Mulheres gordas (sim, gordas, não “cheinhas” ou “fofinhas”, porque gorda não é um xingamento, mas uma característica) sofrem inúmeros preconceitos relacionados à aparência. A beleza das mulheres gordas é praticamente invisibilizada em quase todos os aspectos da vida social, exceto alguns avanços que vêm acontecendo na mídia pelas grandes marcas ao tentar conquistar o consumo desse público.

Ao dizer “mas você tem um rosto tão bonito” a uma pessoa gorda, enfatiza-se que o corpo que não é magro não se encaixa na sociedade, mesmo que “de rosto” essa pessoa seja bonita.

As tentativas de salvar as mulheres gordas são inúmeras. Usando a justificativa de que estão preocupados com a saúde, com a qualidade de vida ou com a vida afetiva delas, indivíduos preconceituosos – que também podem ser chamados de gordofóbicos – atingem a saúde psicológica dessas mulheres, o que pode acarretar o desenvolvimento de doenças como a bulimia ou a anorexia, que são transtornos de imagem em relação ao corpo, fora a baixa autoestima.

A aceitação na sociedade é resultado de um processo de construção bastante complexo, que envolve inúmeros fatores, mas começar prestando atenção ao que dizemos é fundamental.

Por que esses preconceitos ainda existem na sociedade?

Isso acontece porque há diferentes visões sobre o mundo. Algumas mais carregadas de preconceito do que outras.

Abridor de Latas – Comunicação Sindical

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *