Mais Transformação

Mal do século: a depressão afeta trabalhadores de frigoríficos

23 de junho de 2017
Junte-se a mais de 7.000 lideranças

Entre para nossa lista e receba conteúdos sindicais exclusivos e com prioridade

Até 2020, a depressão será a doença mais incapacitante do mundo, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). Considerada o mal do século, em 2016 ela já afastou mais de 75 mil pessoas do trabalho e também já aposentou mais de 97 mil pessoas por invalidez.

Por que esse transtorno afeta tanto o trabalhador? Será que a depressão não é resultado de alguns acidentes de trabalho, como as lesões físicas? De acordo com o Ministério da Previdência Social (MPS), os transtornos psicológicos aparecem como consequência das lesões. Isso ocorre pela culpa e sensação de inutilidade que o trabalhador desenvolve pela perda da capacidade de trabalho, por causa das lesões já sofridas.

A fisioterapeuta do Sintrial, Eliane Fávero, relata que na maioria das vezes o descaso dos empregadores piora o estado de saúde de seus trabalhadores.

“Por lei, as grandes empresas devem ter profissionais de saúde e segurança. Porém, o atendimento é falho. Normalmente são ignorados os primeiros sintomas, o que resulta no agravamento das lesões”, relata

Segundo Eliane, é comum ouvir frases como: “enquanto eu trabalhava sem levar atestado e nunca faltava, eu era um bom funcionário. Agora que estou doente por ter trabalhado tanto, eu não presto mais”.

Segundo o MPS, transtornos de humor, como a depressão, tem grande incidência em frigoríficos. No abate de aves e suínos, por exemplo, existem 3,41 vezes trabalhadores com esses transtornos do que a média brasileira.

Acidente do trabalho

Margarete Alves Nunes de Souza é operadora de produção há nove anos, e após um rompimento do ligamento nos dois ombros, precisou ser afastada. Ela também fraturou e rompeu o ligamento do tornozelo.

Nos frigoríficos, o trabalho diário utiliza facas, serras e outros instrumentos cortantes que podem provocar um acidente em um instante. São inúmeros os trabalhadores que se lesionam gravemente nas linhas de abate.

“Trabalhar em frigorífico é complicado. Estourei os tendões lá dentro, no movimento repetitivo”, conta Margarete. Ela tirava os miúdos e as vísceras dos frangos. Para isso, elevava os braços acima dos ombros, o que provocou as lesões.

Tratamento psicológico

Preocupado com a saúde física e mental de seus trabalhadores, o Sintrial pretende ter, em breve, um psicólogo conveniado à entidade. A diretoria garante que esse será o próximo profissional a ser contratado para integrar a equipe de saúde do Sindicato.

Hoje, após constatarem que o trabalhador, além da doença física, pode estar desenvolvendo ou já ter um transtorno emocional, é feito o encaminhamento para o médico do Sindicato que realiza o atendimento para depois encaminhar os casos mais graves para outros profissionais.

Fonte: Abridor de Latas Comunicação Sindical

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *