Mais Transformação

Frases que ainda ouvimos por aí #18 – “Você joga como uma menina”

27 de abril de 2018
Junte-se a mais de 7.000 lideranças

Entre para nossa lista e receba conteúdos sindicais exclusivos e com prioridade

Frases-que-ainda-ouvimos-por-aí-18-você-joga-igual-menina

“Você joga como uma menina”

Dizem que o Brasil é o país do futebol. A fama surgiu por conta dos jogadores brasileiros que encantam o mundo com grandes dribles e belos gols durante os torneios internacionais do esporte.

De acordo com o Atlas do Esporte no Brasil, há mais de 30 milhões de brasileiros que jogam futebol, incluindo jogadores profissionais e os chamados “atletas de fim de semana”. Esse dado também engloba as mulheres que, cada dia mais, tornaram a prática do esporte algo frequente no dia-a-dia.

Infelizmente, mesmo sendo a casa da jogadora que mais vezes venceu o prêmio de melhor do mundo – Marta, com cinco conquistas –, o Brasil ainda é um país onde o machismo está presente no futebol.

“Você joga como uma menina”

Quando um homem joga mal, é muito comum que ele escute a frase: “Você joga como uma menina”. Essa expressão, totalmente generalista, afirma que nenhuma mulher sabe jogar e que o homem que atua como uma menina não joga bem, é menos ”vigoroso” ou usa pouca força.

Esse tipo de comentário, além de ofensivo, cria uma falsa noção de superioridade masculina, que vai sendo reforçada ao longo dos anos. O resultado dessa ação é a permanência do machismo na sociedade e o total descaso ao esporte feminino no país.

Uma pesquisa realizada pela Organização das Nações Unidas (ONU), revelou que 75% dos brasileiros afirmam que o desenvolvimento de políticas que contribuem para a igualdade de gênero são de extrema importância.

Que tal darmos o primeiro passo e iniciarmos essa caminhada? Ao deixarmos de lado frases opressoras e machistas, contribuímos para que a igualdade entre homens e mulheres vire realidade no país.

Por que esses preconceitos ainda existem na sociedade?

Isso acontece porque há diferentes visões sobre o mundo. Algumas mais carregadas de preconceito do que outras.

Abridor de Latas – Comunicação Sindical

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *